Manual MYST II Riven – A Ilha K’veer

Texto e comentários por: Adriana B. Portes.
A aventura começa.
Encontrando Atrus, aceitando a missão.

MYST II Riven é um jogo que utiliza cinco Cd’s. É importante lembrar que na época que o jogo foi lançado, os computadores não tinham tanto desempenho ou espaço como atualmente e talvez você ache estranho de vez em quando ter que parar o jogo para trocar Cd. Mas infelizmente esta primeira versão de Riven só funciona desta maneira. Ao inserir o primeiro Cd você verá o símbolo do número cinco D’ni na tela. Após ver o símbolo, basta clicar onde diz jogar para que o jogo inicie. Em seguida ele pedirá para que seja inserido o segundo Cd e só assim você verá a mensagem de Atrus e chegará em Riven.

Se desejar há um pequeno programa que une todos os Cds em um diretório não exigindo a troca de Cds. O Riven Wizard é de autoria de Jehon do Myst Community. Você também pode adquirir uma versão atualizada do jogo para os sistemas atuais, porém esta versão é somente em idioma inglês. Veja em: Riven the sequel to MYST ou no site da Steam.

No início do jogo MYST II Riven, você vai encontrar Atrus ajustando o Livro de Riven em um grande salão com vários arcos de pedra. Ele está em K’veer, uma ilha prisão dentro da Grande Caverna que abriga a Cidade D’ni. Você vai poder visitar este lugar duzentos anos depois da época que se passa Riven em The Path of the Shell e também em MYST V End of Ages.

Atrus vai ficar aliviado com a sua presença, ele agradecerá a Deus por você ter chegado. Ele pedirá sua ajuda para ir até Riven, sua missão será resgatar Catherine e aprisionar Gehn. Atrus entregará para você dois livros. O primeiro é o Diário de Atrus, onde há dados importantes sobre a história do jogo. O outro livro é um Livro de Ligação, que mostra uma imagem de K’veer. Na verdade é um Livro Prisão. Ao ligar-se a este livro a pessoa fica presa em um lugar vazio e escuro, só podendo livrar-se deste limbo, se outra pessoa tocar a foto do livro.

Durante o jogo, você deve ler o Diário de Atrus. Nele você vai encontrar além da narrativa da história pregressa ao jogo, dados importantes para entender a Quinta Era – Riven. Ao ver você, Atrus ficará aliviado. Estas são as primeiras palavras de Atrus:

Graças a Deus, você voltou. Eu preciso da sua ajuda. Há muito a ser feito, mas creio que você já saiba disso. Eu por outro lado devo ficar aqui para continuar escrevendo. Eu não posso explicar muito agora. Aqui você terá a informação que precisa, fique com ele. Mantenha ele bem escondido. Por razões que você descobrirá, eu não posso te mandar a Riven com um Livro de Ligação para sair de lá. Mas eu te darei um outro livro. Ele parece um Livro de Ligação que volta para cá, D’ni, mas na verdade é a prisão para um homem só. Você vai precisar deste livro para capturar Gehn, mas tenha cuidado. Quando você encontrar Catherine, mande-me um sinal e eu irei com meu Livro de Ligação e resgatarei vocês. Se tudo der certo há uma chance de eu conseguir te enviar de volta para o seu local de origem.

Em seguida ele mostrará o Livro de Ligação com imagens truncadas. Este livro vai levá-lo a Riven. Depois eu recomendo que você leia a transcrição do Diário de Atrus, assim você poderá entender melhor como se desenvolve a trama neste jogo.

As correções que fiz em Riven duraram mais de trinta anos, mas finalmente desapareceram. A ilha voltou ao padrão familiar de decadência que é a marca de meu pai. Eu agora tenho que correr para implementar as novas mudanças antes que seja tarde. Só espero que minhas teorias revisadas estejam certas.

87.06.16: Revisões em Riven completadas. Ainda há alguns pequenos ajustes a serem feitos, mas as correções básicas foram implementadas e devem estar funcionando. Algo não esta certo, estive observando os instrumentos por algumas horas, mas até agora não presenciei nenhuma mudança. É possível que eu tenha cometido um erro, apesar de ter comparado o que eu escrevi com minhas antigas anotações e não ter encontrado nenhuma diferença. Não descansei por quase três dias, então é possível que eu não esteja percebendo o erro. Porém se o erro estiver em minhas suposições fundamentais. Talvez após um curto descanso, eu possa encontrar alguma coisa.

87.06.18: Sucesso! Parece que depois de tudo, meus consertos foram realmente efetivos. A imagem do Portal ficou notavelmente clara e apesar de ser impossível saber com certeza a ilha pode ter aquietado-se. Apenas mais algumas semanas de trabalho, e devo estar livre, finalmente para ir até lá e tentar trazer Catherine de volta. Nós últimos oito meses tive pouco tempo para pensar, para elaborar uma estratégia para tirá-la de lá. Não recebi nenhum sinal dela em todo este tempo. Devo pressupor que ela esteja bem, para que meus medos não atrapalhem meus esforços para trazê-la de volta para cá.

87.06.19: Eu não criei a Era de Riven diferente de meu pai, eu nunca presumi ter tal poder, e mesmo assim, o futuro de todos que moram lá está em minhas mãos. Até agora consegui ler a página antes dela virar. A ilha parece continuar estável e gostaria de poder acreditar que salvei o mundo que estava prestes a morrer, mas as teorias de um indivíduo não podem sustentar as vidas das pessoas reais indefinidamente. Preciso tirar todos de Riven o mais rápido possível. O problema agora é Gehn. Jamais conseguirei salvar Catherine e restabelecer os moradores da ilha se ele ainda for o homem que era. Não o vejo a mais de trinta anos, mas sua história me força a considerar que ele ainda é uma ameaça. Sua visão míope de restaurar a Civilização D’ni, tem deixado inúmeras culturas inocentes morrendo no seu rastro, e isto continuaria se ele mais uma vez fosse liberto do confinamento de Riven, ou a Quinta Era, como ele friamente a intitulou. O universo esteve a salvo de sua influência corrupta pelos últimos trinta e três anos, pois ninguém conseguiu sair daquela Era. O último Livro de Ligação para fora de Riven foi perdido na Fenda Estelar, quando voltei para MYST. Esta era minha intenção, abandonar meu pai em Riven, removendo todos os Livros de Ligação existentes para outros mundos. E já que a arte de criar livros foi perdida há muito tempo, com a derrota dos D’ni, ele estaria preso lá para o resto da vida. E efetivamente segregado dos incontáveis mundos que teria invadido. De certa forma, foi isso que conseguimos, mas o modo como aconteceu, porém, não era o ideal de ninguém. Apesar da lembrança do incidente ter se apagado gradualmente da minha mente, a dor profunda da responsabilidade pelo que realmente aconteceu nunca me deixou. Na época tudo parecia tão claro, o caminho destrutivo de Gehn não podia continuar. Mas nunca foi minha escolha que os habitantes inocentes de Riven, que já tinham sofrido tanto, pagassem por aquilo. – Chega!!! Viver no passado é morrer no presente. A situação não é mais a mesma. O conhecimento que consegui desde aqueles tempos ainda há de ser aplicado à este problema.

87.06.20: Acho que tenho a solução. Por que eu não pensei nisso antes? Eu não sei. A não ser que a idéia tenha sido afastada da minha mente pelo pensar incessante em meus filhos. Um Livro Prisão. Muitos anos atrás, durante uma expedição de caça nas ruínas dos D’ni, eu achei uma fórmula de um tipo de livro muito diferente. Infelizmente devido ao fato do meu pai ter, então, o costume de confiscar minhas descobertas, fui forçado a deixá-la para trás. Anos depois, porém, como parte de meus esforços para proteger os mundos vulneráveis ligados aos livros em minha biblioteca, fiquei feliz em saber que ainda era capaz de lembrar da maior parte da fórmula, e com pouca experimentação consegui rapidamente criar um instrumento deste. O procedimento é muito simples. Alterando-se levemente linhas chaves do texto, a conexão de um Livro de Ligação comum pode ser parcialmente cortada, de tal maneira que qualquer pessoa que tentar usar o livro ficará permanentemente presa em um vazio escuro do Elo. Isto é, a não ser que outra pessoa use o livro, o que resultaria na prisão desta e na liberdade da primeira, que voltaria ao mundo real. Esta técnica pode ser aplicada a livros que já tenham sido escritos, mudanças tão pequenas no texto original, que qualquer um que não conheça o código seria incapaz de percebê-las. Se meu pai realmente continua o mesmo, que isca poderia ser melhor, do que um livro que parece ser um Elo de volta a D’ni?

87.07.02: Problema. Minha análise noturna da condição da ilha revelou que os tremores recomeçaram. O padrão porém é novo, as perturbações são resultados das mudanças que fiz. Isso no começo, não me preocupou, no entanto, tremores desta espécie eram um dos possíveis efeitos colaterais que eu tinha antecipado durante esta fase inicial de reajustamento da ilha. Mesmo assim para verificar minhas suposições, decidi rever os números incorporando os dados novos. Os resultados não foram o que eu esperava. O dano a sub-estrutura é mais extenso do que percebi, eu não posso ir mais a Riven como planejei. Catherine me perdoe.

87.07.03: Eu preciso agir enquanto ainda há tempo. Os sinais são quase invisíveis, mas não há dúvida que a deterioração da ilha está acelerado. O colapso total é iminente, a não ser que eu consiga me manter a frente dele, e isso está se tornando cada vez mais difícil.

87.07.05: A cada momento que passa, consigo uma imagem mais clara do caos incrível que a economia de palavras de meu pai ocasionou, mas é um processo desanimador, a complexidade do problema é surpreendente. Não há fim para isso. Os últimos dias têm me convencido totalmente de que o colapso de Riven é inevitável. E que na melhor das hipóteses posso apenas lutar para retardar isto por agora, e esperar que em algum momento a ilha se torne estável o bastante para arriscarmos uma tentativa de resgate.

87.07.07 Acho que descobri um meio de deter os tremores. Minha atenção exclusiva será requerida por pelos menos um ou dois meses, então talvez seja necessário interromper por enquanto, as anotações no diário.

87.07.13: Algo verdadeiramente milagroso aconteceu. Apesar de todas as probabilidades concebíveis, alguém finalmente achou meu Livro de Ligação em MYST perdido e me libertou dessa prisão. Imediatamente percebi que isso poderia ser a solução do meu dilema e acho que meu misterioso salvador está disposto a me ajudar. Ainda não tenho certeza se pode funcionar a logística deste esquema, mas o mero fato de talvez agora ser possível para eu continuar meus reparos em Riven e ainda concretizar o plano inicial de encontrar Catherine, tem me dado renovadas esperanças.

87.07.16: Os últimos dias tem me deixado pouco tempo para solucionar os problemas restantes para mandar outra pessoa para Riven. No entanto, me ocorreu, que se puder encontrar um modo dele me dar um sinal quando capturar Gehn, não seria mais necessário trazer um verdadeiro Livro de Ligação a Riven, e arriscar a possibilidade de sem querer soltar Gehn. O estado deteriorado da imagem do portal torna impossível o uso de um sinal visual, mas mesmo assim a imagem permanece sendo um indicador confiável da condição de Riven. Mesmo assim há uma fraqueza, que pode valer a pena investigar uma anomalia que aparece como uma brecha entre dois sistemas separados. A Fenda Estelar. Mas como, ou até se, esse fato pode ser explorado. Não posso dizer. Mandar alguém a Riven significa também que, assim que eu recebesse um sinal de que este estaria pronto para retornar, teria de deixar de escrever para poder levar um verdadeiro Livro de Ligação até lá. Supondo, porém, que meu pai realmente estaria fora do caminho, isto deve levar pouco tempo. Depois disso considerando que a ilha não sofrerá muitos danos na minha falta, deve ser relativamente simples mantê-la inteira o bastante tempo para Catherine retornar a Riven e retirar os moradores restantes da ilha. Predeterminar um sinal sem saber a topografia da ilha pode ser impossível, mas temo que só possa ter uma resposta a pergunta de que se deveria mandar ou não meu amigo a Riven com uma saída. O potencial de falha será imensamente diminuído se o Livro Prisão for o único levado até lá. Tenho certeza de que meu pai está esperando que eu leve um Livro de Ligação para Riven. Talvez ele não seja desapontado…

Manual MYST II Riven. Introdução ao jogo.
Manual MYST II Riven – Os Personagens. Explicação da interface e traduções.
Manual MYST II Riven – A Ilha K’veer. Falando com Atrus.
Manual MYST II Riven – A Ilha Templo. Início e fim da aventura.
Manual MYST II Riven – A Ilha Selva. Paisagens lindas e a morada dos nativos.
Manual MYST II Riven – A Ilha Cratera. Encontrando o laboratório Gehn.
Manual MYST II Riven – A Ilha Platô. O lugar que controla Riven.
Manual MYST II Riven – Era Moiety ou Tay. A Era escondida dos rebeldes.
Manual MYST II Riven – Era de Gehn ou 233º. Falando com Gehn.
Manual MYST II Riven – A Ilha Prisão. Falando com Catherine.
Manual MYST II Riven – A Fenda Estelar. Voltando para casa…

Texto e comentários por: Adriana B. Portes.
Siga para os Personagens ou para A Ilha Templo